21.04.2021

Não é segredo que o mercado editorial está em pleno crescimento aqui no país. É só abrir a página de e-books da Amazon ou o Whatpadd para ver o quanto de títulos nacionais nós temos em ascensão. E aí vem a pergunta: Se estão em ascensão é porque as pessoas leem, não é?

Hum… será? Acontece que sim, os autores brasileiros estão mesmo conquistando seu espaço no coração da literatura, a princípio, vejo essa movimentação apenas aqui, no Brasil, porém, isso é assunto para outro post! O que gostaria de salientar é que as pessoas ainda têm uma imensa resistência com os nacionais. Vou relatar um caso que presenciei em uma livraria, antes da pandemia chegar:

Estava em uma grande livraria aqui no Rio, fazendo as contas sobre o que eu poderia ou não levar (eu sei, triste, mas é a realidade da maioria dos leitores!), quando vi um grupo de jovens animadas com livros da série Acotar nas mãos (é maravilhoso mesmo, eu sei!), uma delas encontrou um livro, um nacional, que diga-se de passagem, faz parte de uma série que AMO DEMAIS! Ela começou a ler a sinopse, logo todas ficaram eufóricas com a história e a jovem decidiu levar, eu fiquei roxa de felicidade – antes de continuar, quero dizer que sou brasileira não apenas por nascença, mas de alma e espírito e quando vejo a gente crescendo, seja quem for e como for, é uma vitória para mim também! – Uma outra moça que estava com ela pegou um exemplar e abriu para saber quem era o autor, normal, a gente sempre faz isso, mera curiosidade. Porém ela fez uma careta de desgosto e soltou um: “ai, a autora é brasileira, já fiquei com o pé atrás…” Caramba, aquilo foi ruim, e pela conversa que desencadeou depois, deu para notar que nenhuma delas conhecia a autora. Resultado, a Sara J. Mass foi a única que saiu da prateleira… Não estou menosprezando, ok?! Jamais, ela é uma de minhas autoras favoritas, no entanto, qual é, gente? As criaturas nem deram a oportunidade e posso quase garantir que amariam se lessem.

O que quero dizer com a experiência que vivenciei e relatei – foi real, apesar de ser escritora, não inventei essa, infelizmente! – é que nós damos pouca oportunidade, torcemos a cara antes de realmente tentar. E quando damos a oportunidade, é apenas para os autores relativamente conhecidos, os novos, nunca.

Temos muito potencial, mesmo, não digo porque sou autora, ok, digo sim, talvez! Mas, acho mesmo que a gama de livros e talentos que temos aqui é tão maravilhosa quanto qualquer autor do mundo. Claro, existem livros que não agradam muito ao público, eu mesmo tenho um publicado que agradou a alguns e não agradou a outros, porém, é um em um milhão! Certo, não sei se isso é uma boa propaganda para mim, no entanto, gosto de ser honesta.

Por que posso pagar R$ 50,00 em um livro estrangeiro e ao mesmo tempo achar um absurdo pagar R$ 29,90 em um nacional? Muitas vezes, esse valor ínfimo não é suficiente para cobrir as despesas dos autores, que tiram do seu próprio bolso, apenas pelo prazer de disseminar suas histórias.

Para concluir, acho que devemos ser mais patriotas e olhar para nosso povo, temos muito talento e muita gente boa que prefere ficar na gaveta a ter que ouvir ou ler “Ah, mas autor brasileiro é muito fraco” ou “Esse é o mal do autor aqui do Brasil…”. Gente, todos temos estilo de escrita e esse é o nosso, se não te agrada, faz parte, entretanto, não vamos generalizar, não é? E mesmo assim dê oportunidade, mas de coração limpo, sem aquela careta que o Metaforando gosta de analisar.

E vocês? Me contem? Você lê nacionais?

leia esse aqui

Me Apaixonei por Um Príncipe

Camille é uma jovem médica, que ama sua família e não acredita no amor, principalmente a primeira vista. Após seu pai receber uma proposta de trabalho irrecusável em seu país natal Ilha Di Calla, feita pelo rei, ela decide largar seus plantões de pediatria em um hospital do Rio de […]

esse post trata de:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *